ACORDE!

Viver é para profissionais, me disse uma pessoa muito importante.

Sim, temos muitos desafios, desilusões, esperanças frustradas.

Temos, por vezes, o peso da existência sobre nós e como dizia o poeta, ele não pesa mais do que a mão de uma criança.

Viver é desafio, mas, também é encantamento, descoberta, renascimento.

Somos esse todo iluminado por mais que possamos desacreditar em certos momentos da vida.

Esta dádiva que é poder experimentar a existência carrega consigo sim as dores do crescimento. Porém, quando olhamos verdadeiramente para nós e para o outro com os olhos deste amor universal, concluímos que por mais adversa que seja uma determinada situação, o poder transformador se encontra dentro de nós.

Então, percebemos que a destruição e também a construção reside em nosso interior e só depende de nós percebermos que a tão sonhada festa da vida que tanto esperamos sempre existiu ao nosso redor. Na verdade, foram nossos olhos turvados que não podiam ver o que sempre esteve ali.

Acorde! A vida está pulsando no aqui e agora. O grande presente é na verdade este único dia que você está vivendo.

Somos unos com este universo e com cada ser humano que como nós luta e acredita.

Acorde! A manhã iluminada está aqui e agora.

Seja feliz!

Solange Biolcatti – 17/05/2019

REVOLUÇÃO DA AMOROSIDADE

Somos parte deste todo iluminado.

Nos reconhecemos isoladamente, mas, no entanto, é no sentido plural de nossa existência que percebemos a nossa força.

Somos plenamente felizes, quando nos percebemos fora de nosso ego e voltamos a uma expectativa maior e humanitária.

A essência desta experiência fantástica chamada vida, nada mais é do que evoluirmos este olhar que começa conosco, mas, que para fazer sentido ao ato de viver, há que se expandir no sentido coletivo da existência.

Não há sentido em imaginarmos que a felicidade é apenas a concretização de anseios pessoais e de desejos supérfluos que sintetizam apenas o ego e o momentâneo.

Temos um sentido de continuidade em tudo o que fazemos, isto é intrínseco a nossa própria existência.

A medida que pudermos, passo a passo, entender que os pequenos atos de gentileza e de amorosidade podem gerar uma sutil mudança que vai se consolidar no nosso entorno, perceberemos este sentido único do ato de viver.

Se pudermos espalhar uma nova “revolução”, que esta seja a da amorosidade. Somente plantando estas pequenas sementes, construiremos um amanhã melhor para todos nós e a vida poderá florescer em seu ápice.

Solange Biolcatti – 16/04/2019

A CAMINHADA

A vida é uma grande caminhada de aprendizados e de crescimento.

Somos impulsionados queiramos ou não a galgar os desafios que vão se colocando ao longo da estrada.

Logo nos primeiros anos, enfrentaremos as várias etapas do ato de crescer. Tudo é novo e perturbador, o primeiro passo, a primeira silaba que aprendemos, depois, o desafio de desvendar o mundo das palavras que agora precisam ser lidas.

A caminhada avança intrépida e nos deparamos com os embates da adolescência, outro grande período desafiador que nos traz um mar de incertezas e inseguranças típicas do período, onde tudo parece um grande jogo do tudo ou nada.

Passada esta fase, enfrentamos a idade adulta, agora já com menos inseguranças vindas da adolescência, porém, com os desafios de nos firmarmos em uma profissão, de sermos reconhecidos na esfera profissional e pessoal, de fazermos diferença na vida de outras pessoas, de constituirmos uma família e aí o grande desafio que será a grande incerteza de estarmos promovendo uma boa educação, de estarmos contribuindo para a formação da personalidade de nosso filho de forma positiva, criativa e impulsionadora.

As décadas avançam, e nos vemos adentrando na idade madura, onde grande parte das etapas desafiadoras do passado foram ultrapassadas e aí surge a grande questão: O que faz sentido em nossas vidas? Não o que fez sentido, porque já percorremos uma grande parte da estrada e deixamos para trás os desafios cumpridos, ou pelo menos, fizemos o nosso melhor para tentar cumprir o que se apresentou para nós.

A grande pergunta desta fase desafiadora da vida: o que faz sentido em nossas vidas, é porque ainda temos esta vida para viver, grande parte da estrada foi percorrida, mas ainda temos planos, talvez, não tenhamos tanto tempo, porém, os planos e o desejo de fazer a diferença continue.

Aqui, nesta fase, vejo o grande marco divisor de águas, porque se não optarmos em realmente fazer o que faça sentido para nós, daqui há alguns anos, podemos acordar com o gosto amargo do arrependimento de já não ter mais tempo.

Fazer sentido aqui, não quer dizer uma epifania, muitas vezes, são as coisas mais simples que deixamos de fazer ao longo da trajetória, que nesta fase pesam para nós e nos incomodam.

Neste momento, também tão crucial quanto foram os anteriores ao longo do crescimento da vida, é que temos que contar com a sabedoria que amealhamos, para sabermos distinguir o que faz sentido e vivenciar mais esta etapa a fim de que esta experiência única que é viver complete seu ciclo e tenha o sentido traduzido no rosto daqueles a quem pudermos ter feito felizes.

Solange Biolcatti – 15/02/2019.

EVOLUÇÃO

Somos as sementes que se espalham mesmo sem perceber.

Ao longo da caminhada, por milhares de séculos, o impulso criador se manifestou, a chama da existência e da renovação, permitiram que nossa espécie se espalhasse e que construísse isso a que hoje chamamos de mundo.

Somos muitos, cada qual em seus espaços geográficos, com seus hábitos, seus idiomas, sua história, seus afazeres, porém, quando vistos sob o prisma de um sentido maior e único, vemos que o que nos une a todos é este liame de buscar este algo mais, de sentir-se útil, de poder fazer a diferença mesmo que seja para um único ser.

Somos movidos por esta força pulsante que há em nós e que está sempre a nossa disposição, mesmo naqueles momentos em que pensamos que nada mais nos restará.

Somos este todo iluminado, porque de fato, não somos o ser único e isolado que se vê como auto suficiente, como prepotente, como diretor do espetáculo da vida.

Somos este todo iluminado, porque estamos todos inseridos na teia da existência e juntos, movidos pelos mesmos ideais, nos tornamos únicos, nos tornamos a força propulsora capaz de alcançar os mais inimagináveis objetivos.

É este o sentido maior desta experiência chamada vida.

É este o caminho do encontro, quando nos entendemos únicos, mas nos enxergamos como a fina teia da rede maior chamada vida iluminada.

Que possamos todos e cada um de nós, vivenciarmos passo a passo este despertar e entender o sentido deste presente chamado vida.

Solange Biolcatti – 25/11/2018 

PERMITA-SE

E pelas paredes os grafites vão se embaralhando em suas múltiplas cores.

Sentidos se misturam em nuances de depois, de talvez, de amanhãs que podem nunca chegar.

Almas doentes pululam noite afora em busca de prazeres plenos, mas não satisfeitos.

Pessoas ocas com dores eternas demonstram as alegrias plásticas, os sorrisos milimétricos, as frases certas de efeito e a “pseudo aceitação” dos milhões de “likes” de amigos imaginários.

O que tanto anseiam estes olhos a procura de uma vida que nunca encontram, de uma alegria que não sentem, de um porto seguro para sua nau à deriva?

Megalópole de carências em contraposição com as maiores demonstrações de precisar parecer feliz como no cenário perfeito dos comerciais de televisão.

Quando vamos encontrar este ponto de satisfação e equilíbrio que jamais será achado nas futilidades de nossa sociedade altamente moderna e conectada?

Quando faremos a verdadeira conexão com aquilo que verdadeiramente habita e importa em nós?

Permita-se abrir as janelas empoeiradas de sua alma e é bem provável encontrar lá a manhã tão sonhada com suas luzes plenas e sua pureza límpida.

Não busque fora. A resposta está dentro de você, no canto mais silencioso do seu ser.

Permita-se, e então desfrute verdadeiramente de sua manhã de sol e seja feliz!

 

Solange Biolcatti – 04/03/2018

APELOS DE PAZ

Apelos de paz surgem na imensidão do espaço.

Vemos este apelo em múltiplas culturas.

Vemos este apelo em múltiplas línguas.

Somos partes desta mesma energia, deste mesmo todo, estamos unidos, embora muitas vezes, imaginamos ser isto uma ilusão, mas, a dor de outros abre em nós um vácuo que não sabemos explicar e que se instala em nós gerando um processo corrosivo.

E vemos os apelos de paz surgirem:

No olhar sábio da senhora que o tempo congelou na fotografia,

No sorriso que esboça a criança,

Na súplica silenciosa daquele que já sofreu na própria pele as violências, a fome, as guerras.

Paz também pulsa em nossos corações, buscando um sentido para a existência.

A paz surge graciosamente na natureza que tudo nos oferta sem nada pedir em troca, e no amor universal que nos é doado por aqueles que já entenderam o sentido de tudo.

 

Solange Biolcatti – 26/02/18.

FORMAS

Formas…

No redondo do mundo,

No sorriso retilíneo,

Na boca carnuda, flamejando desejos não expressos.

Nos olhos faiscando pensamentos.

No balanço macio do corpo curvilíneo, dança surrealista de muitas palavras não ditas.

No verbo que se expressa em suas múltiplas formas e facetas:

Na palavra afiada,

No tom sarcástico,

Na rima melódica,

Na frase bem-posta,

No tom de incentivo,

Na palavra amiga.

No nexo daquilo que a princípio nos parece sem sentido, mas que os sentidos apreendem,

E mais uma vez roda lentamente o mundo e suas formas.

Circulam formas táteis,

Sentimentos fluidos,

E descobrimos a cada segundo, a magia de toda forma de vida,

Que pulsa,

Que se expande,

Que se regenera,

Que se encanta no encontro de sentimentos e renasce em outra forma muito maior.

 

Solange Biolcatti – 26/02/2018.

FORÇA VIVA

Qual o nome deste rompante que em nós se instala e que nos faz acreditar e seguir sempre em frente?

Qual é esta conexão mágica que nos faz sentir parte deste todo absoluto e que nos enche de ânimo novo a cada dia.

Qual é o sentido deste pulsar que independente de idade, condição física ou social nos faz sonhar e querer buscar os nossos limites e ir além.

Somos esta energia viva,

Somos estes seres aparentemente únicos, mas, que estão conectados a tudo.

Temos esta chama primeira dentro de cada um de nós e somos a força pulsante da terra.

Somos muitas vezes, símbolos de abusos e atrocidades, mas, também somos o olhar de compaixão, de unidade, de justiça e empatia com a dor alheia.

Temos estes dois caminhos dentro deste eu individual: o que se torna egoísta e mesquinho, ensimesmado e autoritário, mas, temos também o lado que consegue ultrapassar a barreira do ego e alcança um olhar no além.

Acredito que no dia em que este processo de rompimento do eu menor acontecer, todos nós, sem exceção, vamos despertar para aquilo que sempre esteve ali a nossa espera, e neste dia a Terra vai se tornar este lugar de perfeição absoluta, pois não há nada que já não tenhamos ao alcance de nossas mãos.

Solange Biolcatti – 18/02/18

O SAL DA TERRA

O que nos move?

O que traz sentido a vida?

O que nos enche de ânimo?

Vivemos satisfeitos com aquilo que temos e conseguimos ser felizes?

O que é felicidade?

O que exatamente busco como ser humano?

Estas e outras tantas perguntas sempre inundaram nossos pensamentos e permearam aquilo que buscamos como a essência do ser.

Não penso que seja uma busca essencialmente individual porque o sentido desta existência é percebermos que a medida que nos harmonizamos com o nosso entorno e que queremos bem a um maior número de seres sem distinção é quando verdadeiramente encontramos o sentido de tudo, aquilo que dá tempero a vida, o sal da terra.

O sal da terra é buscarmos o bem, é sentirmo-nos unidos a tudo e a todos, é perceber que aquele que sofre está ligado a nós da maneira mais intrínseca porque estamos todos conectados.

O sal da terra é sermos agradecidos e apreciarmos a vida assim como ela se apresenta a nós, sem apegos nem aversões.

O sal da terra é sorrir e espalhar alegria onde quer que estejamos, sem escolher a quem.

O sal da terra é expandir este amor universal que sempre existiu em nós e que é capaz de fazer este mundo, apesar dos problemas, das dúvidas, dos desencontros, do desamparo, um lugar melhor para se viver.

Solange Biolcatti – 15/02/18.