Qual o valor de uma vida humana?

Qual é o valor de uma vida humana ?

 

Ela teria mais valor se tivesse mais seguidores?

 

Ela teria mais valor se fosse famosa?

 

Ela teria mais valor se tivesse mais saldo em sua conta bancária?

 

Ela teria mais valor se morasse em um local com alto valor por metro quadrado ?

 

Ela teria mais valor se tivesse conhecido mais países ao longo do mundo ?

 

Ela teria mais valor se tivesse uma excelente formação ?

 

Ela teria mais valor se seus amigos fossem pessoas importantes?

 

Ela teria mais valor se o seu seguro saúde desse direito a hospitais de ponta?

 

Ela teria mais valor se sua beleza fosse considerada clássica e dentro dos padrões ?

 

Como classificar o valor de uma vida humana ?

 

O que sei é que cada sorriso, cada expressão, cada átimo de tempo na história individual de cada um e daqueles que formam seu círculo familiar é fundamental .

 

Não importa a classe social, a idade, o grau de escolaridade, os idiomas que domina, se perguntássemos a cada um que foi influenciado por aquela vida, teríamos a mesma resposta :

 

A vida humana é única, a história de uma pessoa conta a trajetória de uma cadeia de centenas de milhares de vidas que foram fundamentais para esta pessoa ter existido .

 

Somos esta vida em movimento .

 

Somos a vida pulsando no planeta , somos o novo e também somos a história .

 

Somos a luz maior que carregamos , e cada sorriso, cada coração que pulsa e planeja

a sua história é fundamental.

 

Que a humanidade desperte e perceba que cada um de nós está conectado e que cada um de nós ao final das contas depende de outros porque ninguém está separado de ninguém .

Esperança e Empatia é o que desejo para a humanidade a qual pertenço.

 

Solange Biolcatti – 15/06/20.

DIAS SEM FIM

E desde então, a pressa cedeu lugar aos dias intermináveis.

Tudo que se vivia até então: correria, trânsito, stress, almoços rápidos, noites pouco dormidas desaparecera.

Acordamos num dia absolutamente tranquilo, onde o som da natureza se fazia mais forte.

Pássaros e seus gorjeios cadenciados emolduravam a paisagem de um silêncio quase absoluto, até o verde das árvores parecia resplandecer ao dourado do por do sol que quase todo final de tarde, insistia em se formar no céu.

Invariavelmente as noites nos mostravam pelas janelas enviesadas muito mais estrelas do que antes e uma lua bem mais iluminada.

Reclusos em nossas casas, sonhávamos com uma possível viagem futura, ou então, matávamos a saudade de outras já feitas e ficávamos horas a recordar as fotografias.

Já não sabíamos mais quando poderíamos concretizar estes pequenos devaneios, nem tampouco, como estaria o planeta, depois destes dias intermináveis.

Haviam também os dias de desconforto e de terror, onde as notícias acumuladas de contaminação e mortes inundavam nossas mentes e invariavelmente a noite, tínhamos dificuldades para dormir ansiando pelo amanhã.

Buscávamos preencher os dias com várias atividades ligadas a rotina do lar, e também, com outras leituras, estudos, reuniões e aulas, mas a realidade de tudo isto que ocorria com o aparato da tecnologia online só nos mostrava o quão estávamos afastados do mundo real, daquele mundo palpável que conhecíamos, onde pessoas se abraçavam, onde o direito de locomoção era isento de qualquer regra, onde amigos podiam se reunir, onde pessoas podiam viajar, onde um simples beijo não significava probabilidade de contaminação, onde visitar seus entes queridos era uma coisa corriqueira, onde andar pelas ruas ao sol, caminhar no parque ou ir ao cinema eram apenas coisas triviais.

Ainda vivíamos os dias sem fim com a resignação e a esperança que são tão características da raça humana, aquecendo nossos corações com a possibilidade do porvir.

Ainda acreditávamos que a humanidade poderia sair de todo este imbróglio com um olhar repleto de amor e compaixão.

Solange Biolcatti – 17/04/20.

reflexões pelo meu aniversário – 30/08

Vida,

O grande presente do universo é a caminhada de aprendizado que nos impulsiona rumo ao crescimento.

A estrada percorrida só nos demonstra que tudo o que vivemos valeu a pena.

A vida não se traduz em alegrias eternas, existem também as dores do crescimento, mas, na verdade, estão ali para que possamos aprender a apreciar um pouco mais sobre esta passagem finita.

Sinto-me agradecida por tudo: pela família que sedimentou em mim os valores essenciais e a forma de ver e vivenciar este mundo;pelas milhares de gerações que me antecederam, os meus ancestrais, honro cada um deles, muito embora desconheça a estória de vida deles, mas sei, que em cada átomo do meu ser uma parte deles vive.

Na minha visão o grande templo chamado corpo é a pequenina representação deste algo maior que alguns chamam de alma, outros de espírito e eu de todo iluminado.

Sinto que cada coisa e cada ser deste planeta chamado Terra se encontra conectado a grande teia da vida, e será apenas pelo amor incondicional e universal que poderemos contribuir para um amanhã mais equilibrado para todos.

Como o que sempre me moveu foi a esperança, espero que causas e condições me possibilitem acompanhar a evolução deste mundo para um amanhã de mais amorosidade, mais tolerância, e de mais empatia com os que sofrem.

Que esta grande jornada da existência possa trazer os bons frutos e as raízes profundas do grande e belo jardim da existência para todos os seres.

SOLANGE BIOLCATTI.

SALTO

Olho o abismo abissal a que fui lançada.

A memória busca respostas, mas, o cansaço da repetição de anos a fio me impedem de acessar a pergunta sem resposta.

A minha volta, a rotina se mantém inerte. Olho as coisas e estas parecem as mesmas, então percebo, que a mudança aconteceu em mim.

Nesta roda infinita, a que poderia aqui chamar de meu samsara pessoal, consegui olhar as coisas a meu redor como o espectador que a certa distância consegue enxergar toda a cena e percebe as nuances antes desapercebidas.

Percebi que o engano e a total falta de compromisso com o tempo presente resultaram no sentimento de vazio.

Percebi que a existência tem um sentido maior, embora, esteja tão absorta no cotidiano.

Percebi que as grandes conquistas advém das pequenas vitórias, de viver um dia após o outro, quando exercitamos a plena atenção.

Percebi que esta experiência fantástica de viver é um tênue fio conectado a energia suprema, e que somos este todo iluminado, quando nos percebemos nesta teia universal onde absolutamente ninguém, é uma ilha isolada.

Percebi que podemos viver com qualidade, se a gratidão for a tônica de nosso cotidiano.

Percebi que o perdão é o remédio mágico que traz paz ao coração e leveza para a alma.

Percebi ao final, que tudo está exatamente onde deveria estar, então, sem apegos, sem aversões, sem raiva, sem dor, apenas compreendendo a imensidão que me cerca, agradeci.

 

10/11/2017.

 

ESTRELAS

Como estrelas do infinito,

Somos o todo manifesto.

Mesmo dentro dos pequenos casulos que formam nosso corpo físico, sentimos por relances de espaço e tempo, a grandeza daquilo que nos formou e daquilo que podemos ser, quando esta mente limitante for capaz de se manifestar em sua plenitude.

Quando o olhar se expande, somos capazes de sentir tudo o que de fato nos move e faz sentido nesta experiência fantástica que é viver.

Somos capazes de perceber todas as nuances que antes nos passavam desapercebidas,

Somos capazes de despertar das ilusões formadas por nossos pensamentos errôneos e compreender que este pequeno hiato chamado vida é uma breve antecipação daquilo que somos capazes de acessar quando mente e coração estão unidos.

Tudo está interconectado, desperte e desfrute a experiência!

09/10/2017

DONS E COTIDIANO

Não somos máquinas, somos humanos!

Talvez isto seja a grande benesse e também o maior desafio. Viver uma existência onde o entorno nos influencia, onde a dor e a tristeza nos machuque, onde o outro não é um ente despersonalizado com o qual não precise me preocupar.

O grande desafio a meu ver? Entender que aquilo que nos é natural, o sentimento, não pode se transformar frente a grande vilã da modernidade chamada de cotidiano.

A grande demanda da modernidade, por tarefas, prazos, metas, etc, vai pouco a pouco  alienando de nós aqueles dons primários que são o que justamente nos distinguem dentro deste planeta.

Precisamos aprender a perceber e conviver com as demandas do mundo moderno, porém, sem perder aquilo que nos é mais caro.

Precisamos entender que justamente aquilo que nos motiva, que traz brilho ao olhar, que aquece o coração são as percepções que vão além deste cotidiano.

É ver o sorriso de uma criança, é sentir o aroma das flores que despontam na primavera e fazem das manhãs uma festa de cores, é olhar um por do sol e entender o presente da natureza , é ver o brilho da Lua e das estrelas despontando no céu e sentir-se agradecido, é poder saborear um alimento e perceber quanto trabalho envolvido pode ter havido naquele prato de comida.

É saber que nesta experiência de ser humano, fomos agraciados com a inteligência e com a sensibilidade e como em uma balança, elas precisam estar equilibradas, pois, o mundo nos exige muito do primeiro dom , mas, sem o segundo dom definitivamente, a vida não teria o menor sentido.

 

 

29/09/17

SENTIDO DA VIDA

Estava apenas imaginando qual seria o sentido de nossas vidas, desta experiência excepcional que é viver, com tudo o que precisamos aprender, errar, insistir, desistir.

Nos anos da juventude, imaginava que a vida era apenas uma sucessão de coisas por fazer, de momentos que tínhamos que viver intensamente, com a percepção de que havia uma luta insana contra o tempo, contra o relógio biológico, contra algo que sentia poderia modificar tudo ao meu redor.

Com o passar dos anos e das experiências vividas, entendi que a vida é este presente que se vive dia após dia, sem ansiedades.

Entendi e estou buscando a essência das coisas e elas são bem mais simples do que imaginei.

Não são os espetáculos fantásticos que nos trazem os ganhos, mas, a vida corriqueira, aparentemente comum e sem efeitos que nos ensinam que a essência de viver é muito mais simples do que parece ser.

Sinto que os anos são o grande bálsamo que tem acalentado meus anseios e trazido a resposta as mais complexas questões.

Hoje, vejo o ato de sentar e meditar como a essência em buscar este auto conhecimento, fundamental no encontro comigo mesma e com o universo a minha volta.

Acredito que o futuro da espécie humana e a qualidade de nosso futuro está intrinsecamente ligada a esta pequena e fantástica descoberta de conhecer a si mesmo e de aceitar as coisas como são.

HUMANOS

Subitamente nos percebemos.

Percebemos a imensidão e a perfeição de tudo o que nos cerca.

E nossos olhos se expandem para além do que a própria visão é capaz de captar.

E nossos corações compreendem que recebemos um presente, esta vida.

E que devemos aprender a respeitar e aceitar cada coisa, cada diferença e cada semelhança como uma extensão de nós próprios.

A raça humana, tão complexa e ao mesmo tempo tão visceral.

Em nós encontramos o melhor e o pior de nossa origem.

Encontramos a mão estendida pedindo ajuda,

o olhar perdido de medo, de solidão, de angústia,

a fome,

as violências,

os abandonos,

o vazio insuperável.

Mas a raça humana tem este poder infinito de se refazer, de reconstruir o que foi destruído, de olhar para dentro de si e encontrar a força necessária para seguir adiante sem esmorecer, de quase se curvar as tempestades, porém, de se refazer na manhã seguinte como o arco íris sútil e colorido que estampa o céu nos trazendo esperança.

Então,

para cada mão que pede ajuda há sempre uma mão que ampara,

Para cada ser humano mergulhado no medo e na desesperança,

há sempre alguém disposto a ser a luz no fim do túnel,

Para cada violência sofrida,

há sempre alguém disposto a trazer a tão sonhada paz.

Para cada vazio, há sempre uma força maior que nos impele a olhar para dentro de nós mesmos no encontro com este auto conhecimento.

De saber o que somos, de saber para que estamos aqui e de finalmente perceber, que tudo e todos,  dos povos mais distantes até o parente mais próximo, formamos esta raça humana, interligada, interconectada e pronta a ter a empatia necessária para exercitar a compaixão.

07/07/2017

 

CANSAÇO

Cansei de compreender,

Cansei do tédio que muitas vezes parece ser o único remédio,

Cansei da rotina que desfaz pouco a pouco o assombro que esperamos encontrar um dia.

Cansei da melancolia que destroi a esperança que buscamos conservar,

Cansei dos dias mornos e previsíveis que repetimos numa ladainha sem fim,

Cansei até de imaginar como poderei ser eu, ou, poderia ter sido, esta sucessão sem fim de hipóteses que não levam a lugar algum.

Cansei desta busca frenética por algo que talvez esteja muito além do que minha razão me permite alcançar.

Cansei de sofrer pelo que virá, visto que não sei se chegará, e pelo que se foi, posto que não mais poderei modificar.

E neste hoje que me cabe viver, concluo, que quero apenas viver,

Sem expectativas,

Sem angústias,

Sem arrependimentos,

Sem o turbilhão de sentimentos,

Apenas por este minuto, viver o aqui,  esta fração de segundo, condensar o mundo todo apenas neste momento.

 

 

22/05/2017